was successfully added to your cart.

DiabetesSaúde física

As Vitaminas – Um pequeno tratado de estudo – Parte 2 – Vitaminas Lipossolúveis

By 5 de março de 2018 No Comments

Pedro Tomelleri

 

Vitamina A – a carência leva a cegueira noturna, dano nos epitélios, da córnea, traqueo-bronquial, intestinal e vaginal. Susceptibilidade a infecções secundárias das alterações dos epitélios glandulares e de revestimento (epitélio = pele ou mucosa que revestem o corpo ou órgãos).

Excesso: diferentemente de quase todas as vitaminas, a vitamina A não pode ser prescrita com a justificativa de que não faz mal. Altas doses de vitamina A (por exemplo: causas dermatológicas crônicas), provocam mal estar, anorexia, fragilidade nas unhas, perda de cabelos, gengivite, hepatopatia cirrogena (cirrose do fígado), nas crianças pode provocar hiperosteose cortical (subperiostea) = (crescimento anormal do osso debaixo da capa do osso.)

Para um homem adulto foi estabelecido por órgãos dos Estados Unidos e Inglaterra a quantidade de 5.000U.I de betacaroteno = 3mg de betacaroteno, ou seja, 750mcg de retinol que é igual a 1,5mg de vitamina A ao dia.

Fontes

Vitamina A pré – formada: retinol – fígado e rins de animais terrestres e aquáticos, leite integral, creme de leite, queijos, manteigas, peixes e gemas de ovos.

Próvitaminas: carotenóides – vegetais folhosos, legumes (especialmente os de cor amarelada) ou frutas.

Vitamina D – A carência desta vitamina é a principal causa de raquitismo infantil; na presença da luz solar, se transforma em D3 que é a vitamina que favorece a fixação de cálcio nos ossos, pois regula o metabolismo do cálcio e do fósforo simultaneamente. Sua carência é mais comum em países frios (com pouco sol), já nos países quentes ocorre em crianças muito confinadas,

Sintomas de deficiência: pernas deformadas (genu varun ou genu valgun), costelas afundadas pelo diafragma (tórax em funil) ou externo (peito de pombo), protrusão de abdômen (ventre de rã), dentes defeituosos e deformações da pélvis (região baixa dos quadris).

Alimentos que podem diminuir a absorção do cálcio são: espinafre, cacau, chocolate, beterraba e chá.

Excesso: no homem adulto a dose tóxica é geralmente de 100.000UI diária por 1 ou 2 meses e para crianças de 20.000UI a 40.000UI diariamente. Conseqüências: hipercalcemia e conseqüente dano renal e calcificação metastásica dos tecidos moles. Sintomas: náuseas, lassidão, vômitos, anorexia, sudorese profusa, cefaléia, sede vertigem.

Recomendações diárias: A FAO recomenda de neonatos até 6 anos 10mcg; dos 7 até a idade adulta 2,5 mcg em ambos os sexos, na metade final da gestação e na lactação 10mcg/dia.

Fontes: As maiores são óleo de fígado de bacalhau, arenque, atum e várias espécies de cação. Peixe de água doce é o lambari, também conhecido como piaba.

 

Vitamina E – A carência desta vitamina leva à fibrose pancreática, deposição de hipopigmentos como ceroides e lipofucsina encontrados em intestinos de adultos que apresentam má absorção de gorduras e esteatorréia (diarréia gordurosa).

Excesso: não se conhecem intoxicações por excesso apenas, apenas que em injeções intramusculares, pode acarretar irritação local.

Recomendações diárias: 10mg para homem adulto, 8 mg para mulher adulta durante a gestação e mais 3mg durante a lactação; infantes até 6 meses – 3mg; até 1 ano – 4mg; de 1 a 3 anos – 5 mg; de 4 a 6 anos – 4mg.

Fontes: Germe de trigo e seu óleo, óleos de soja, arroz, milho, algodão, girassol, gema de ovos, vegetais folhosos e legumes, preferencialmente.

Vitamina K – sintomas, incremento á tendência a hemorragias, equimoses (manchas roxas), epistaxes (sangue pelo nariz), melenas (hemorragias intestinais), hemorragias pós operatórias, hematoúria (sangue na urina).

Excesso: Praticamente não apresenta excesso, sendo bem tolerada, mesmo em doses altas. Somente para recém nascidos deve-se evitar doses acima de 5mcg, durante os primeiros dias vida.

Recomendações diárias: Difícil prever, pois é produzida pela flora intestinal, variando conforme a mesma. Alguns estudiosos recomendam 0,03mcg/dia.

Fontes: Aspargos, fungos, espinafre, couve flor, repolho, trigo, aveia e leite de vaca.

 

Palazzo do Diet Light –  “Melhor Comprar de Quem Sabe o que Fala”

 

BIBLIOGRAFIA

BAKER E.M. et. al. Vitamin B6 requirement for adult man, Amer J. clin. Nutr 15 ;59, 1964

BRESLAU R.C. Hypervitaminosis A; acute vitamin toxicity Arch. Pediat. 74: 178, 1957

CHESLOCK K.E. McCully MT Response of human beings to a low vitamin B6 diet, J. Nutr.70: 507, 1970

COUNCIL OF FOODS AND NUTRITION. American Medical Association: Importance of vitamin C in the diet, J.A.M.A. 160: 1470,1956

COURSIN d.b., Seizures in infants with Pyridoxine- deficient diet J.A.M.A.154: 406, 1954

DONALD E.A. et. al. Vitamin B6 requirement of young adult womens, Amer.J. Clin.Nutr.24:1028, 1971

FRIMTER G.W. et al. Vitamin B6 dependancy syndromes – new Horizons in nutrition, Amer.J. Clin. Nutr.22:794,1969

HEYSSEL R.M.et al. vitamin B12  Turnover in man, Amer. J. clin.Nutr. 18:176,1966

HODGESR.E. et. al. Clinical manifestations of ascorbic acid deficiency in man, Amer. Clin.Nutr.24:432,1971

HORWITT M.K. et. al. Effect of dietary depletion of Riboflavin, J. ntr. 39:357, 1949

HORWITT M.K., editors, Symposium vit E: Biochemistry, nutritional requirements and clinical studies, Amer. J.Clin.Nutr.9:939,1974

MANGAYUCHUNG A.S. et. al. folic acid, vitamin B6, pantothenic acid, and vitamin B12 in human dietaries, Amer. J. clin.Nutr.9:573, 1971

MONTENERO P., Antibiotici ed eliminazione urinaria di lattoflavina, Acta Vitamin. 5: 204,1952

MONTENERO P., Piridoxina e diabete, Acta Vitamin. 2, 55,1961

MORTON R.A. Fat soluble vitamins  (pergamon press, Oxford 1970

ONDAHL J.L. De Luca H.F. Regulation of vitamin D, metabolism and function, Physiol. Rev.53, 327, 1973

SANTINI R .et al. The distribution of folic  acid active compounds in individual foods, Amer.J. clin. Nutr. 14: 205, 1964

SEBRELL W. H. BUTLER R.E., Riboflavin deficiency in man, Public Health Rep.54:2121, 1939

VILTNER R. W. , folic acid, In wohl,M.G.,avd Goodhart, R.S.ed. Modern nutrition in health and disease (Lea & Febiger, Philadelphia 1964

WILLIAMS R.J., Early experiences with pantothenic acid, a retrospect, Nutr. Rev 12: 65, 1954

MANUALI DI DIETOLOGIA –  FERRO EDIZIONI

TABELA DE COMPOSIÇÃO QUIMICA DOS ALIMENTOS –  GUILHERME FRANCO ATHENEU EDITORA.

 

Deixe seu comentário
Bem vindo(a) ao Palazzo Diet Light!
Devido ao processo de exportação criamos o palazzodietlight.com, que atende clientes de dentro e fora do país mas que ainda faz parte da Palazzo Diet Light, com a mesma tradição e confiança que você já conhece.